Você está aqui

Lições de pedagogia

sex, 21/09/18
Workshop de Mediação capacitou a equipe responsável pelo treinamento dos usuários do RH Bahia

Izabel Araújo (de pé) na condução do workshop: alinhamento pedagógico com foco na mediação em sala de aula 

Quais os maiores desafios de conduzir uma aula? Como adotar a postura e a metodologia adequadas para orientar o aluno na direção do saber? Antes de entrar em ação, os 13 profissionais encarregados de treinar os usuários do RH Bahia tiveram a oportunidade de passar por uma capacitação que lhes permitiu não só  refletir sobre estes temas, como exercitar na prática a  performance em sala de aula.

Promovido na semana anterior ao início do treinamento, nos dias 10 a 21 de setembro, à noite, na Escola de Saúde Pública do Estado, o workshop A Mediação no Processo de Aprendizagem visou preparar o grupo para o desafio de orientar os servidores do Estado em seus primeiros passos na utilização do novo sistema de gestão de Recursos Humanos do Estado.

 “Nosso objetivo foi promover um alinhamento pedagógico entre os participantes, com foco na mediação em sala de aula”, explica a analista técnica Izabel Araújo, da Diretoria de Valorização e Desenvolvimento de Pessoas (DDE) da Secretaria de Administração do Estado da Bahia (Saeb).

Responsável pela condução do workshop, Izabel – que integra a equipe de treinamento do RH Bahia como consultora pedagógica - conta que procurou fornecer ao grupo dicas de atuação baseadas nos conhecimentos da andragogia, a arte ou ciência da educação de adultos (em contraposição à pedagogia, que se volta para a aprendizagem infantil).“O adulto tende a se interessar por aquilo que pode aplicar na prática; além disso, ele costuma se apropriar de novos saberes a partir de experiências e conhecimentos que já possui”, explica Izabel. “Em razão disso, é fundamental que o mediador saiba acolher experiências e conhecimentos trazidos pelos alunos e utilizá-los em prol do aprendizado”, conclui.

Outro referencial central no workshop – que teve carga horária de 35 horas – foi a teoria da Experiência da Aprendizagem Mediada (MLE), elaborada pelo professor e psicólogo Reuven Feuerstein, discípulo de Jean Piaget. A abordagem, de acordo com Izabel, estabelece uma série de categorias e critérios para a mediação que ajudam a potencializar o aprendizado em sala de aula. “São pontos para os quais os mediadores devem estar atentos, como a importância de estabelecer uma dinâmica interativa com a turma, fazendo perguntas capazes de estimular hipóteses que levem a uma construção conjunta do saber”, ensina Izabel. 

Orientações e dicas - Para além do referencial teórico, o time de mediadores do RH Bahia também recebeu orientações sobre o uso de instrumentos de aprendizagem – do plano de aula a ferramentas como slide e flip-chart – e as mais diversas dicas de apresentação em público relacionadas a fatores como postura, projeção vocal, contato visual e linguagem. 

Ao final, cada mediador teve a oportunidade de ministrar uma mini-aula, recebendo em seguida um feedback do seu desempenho. “Foi um trabalho excelente, muito didático e que me ajudou durante a mediação a ter mais consciência da própria postura e mais cuidado, por exemplo, em evitar vícios de linguagem”, conta Nayara Matos, que além de atuar como mediadora, integra a equipe do projeto RH Bahia.